Todos os quatro estilos tem uma fase submersa do nado, logo após a saída ou a virada. Esses são momentos estratégicos para qualquer prova e o nado submerso está presente especialmente nesses pontos, por isso, ele pode ser chave para que você supere seus resultados e nade mais rápido.

Para o crawl e costas, geralmente, a fase submersa inclui ondulações com batidas de perna normais. Já no peito existe a filipina e, no borboleta, a fase submersa é composta 100% pela ondulação. Não importa qual seu estilo, todos eles tem uma parte importantíssima que algumas vezes acaba negligenciada nos treinos.

Aqui estão algumas das razões para você investir seu tempo e treinamento para essa fase do nado:

O nado submerso pode compor até 60% da sua prova
Sim, é isso mesmo. Durante a competição existe um limite máximo para a etapa submersa do nado que é de 15m ou seja, 60% de cada 25m nadados. Esse limite existe pois em alguns estilos, como no nado costas, o submerso é tão eficiente que alguns atletas quase extrapolam o máximo permitido para garantir mais velocidade de nado.

É uma das etapas mais eficientes do nado
Durante o nado submerso, a maior parte do tempo você mantém uma posição de streamline, cujo objetivo principal é cortar a água e te garantir uma hidrodinâmica eficiente para que você possa acelerar quase sem atrito.

Ajuda no descanso dos braços e da parte superior do corpo
Pode parecer pouco tempo, mas imagine que em quase 60% da prova você pode manter seus braços em uma posição fixa, sem forçá-los para guardar energias para a parte final da sua prova ou até mesmo para garantir mais energia e menos cansaço em provas mais longas.

Aproveita melhor o impulso de saída ou da virada
Há somente duas partes do nado onde o atleta pode contar com um impulso físico contra uma superfície sólida para gerar empuxo, a saída e a virada, nesses momentos o atleta acelera rapidamente e a melhor maneira de manter essa velocidade inicial para te ajudar a quebrar a inércia inicial do nado é ter um bom nado submerso que te ajude a manter essa aceleração.

Errar na retomada do nado pode te custar muito tempo
Claro, o nado submerso não é só flores. Ao finalizar a etapa submersa do nado o atleta precisa enfrentar uma etapa que pode ser crítica na sua prova que é o começo do nado. Sair do nado submerso estando muito perto da superfície pode tornar sua primeira braçada ineficiente e sair do submerso estando muito fundo pode causar um atrito enorme. Em ambos os casos o custo é tempo perdido e muito mais esforço físico e mental para se recuperar, por isso treine muito bem essa transição!

E aí? Acho que está na hora de treinar mais o nado submerso, não é? Prepare bem suas pernas e aproveite bem esses metros embaixo da água!