Houve um tempo em que as toucas de natação faziam mais do que apenas proteger os cabelos dos atletas contra o cloro ou reduzir o arrasto na água. Elas eram acessórios de moda indispensáveis. Há 80 anos, nenhum traje de banho feminino estaria completo sem uma touca na cabeça.

A ideia de cobrir o cabelo durante um mergulho na piscina começou lá atrás, por volta de 1800, quando as toucas eram apenas redes de cabelo feitas de tafetá encerado ou seda sintética para impedir que os penteados estragassem.

1883 – 1920

0a841eac18ad9066b532dfbed25b0728--bathing-suits-swim-caps

Os primeiros modelos de touca de natação pareciam capacetes de pilotos de guerra. A faixa abaixo do queixo era ajustável, e servia para não deixar a touca cair.

A chegada da borracha abriu portas para novas invenções como pneus para automóveis e, em 1883, as toucas de borracha foram introduzidas. Durante essa época a touca se tornou um acessório de moda, complementando os trajes de banho usados nas piscinas e praias públicas. Anos depois, em 1894, a natação esteve presente na primeira edição dos Jogos Olímpicos da era moderna, e a popularidade do esporte foi dando uma nova utilidade para as toucas, como forma de diminuir o arrasto provocado pelos cabelos.

1940 – 1950

Durante a Segunda Guerra Mundial, a borracha foi amplamente utilizada na produção de artifícios de guerra e se tornou escassa e, as toucas, também.

Leia também:  Quatro dicas para escolher seu modelo de óculos de natação

A era pós-guerra, foi marcada pela moda e as toucas voltaram com tudo. Coloridas, cheias de flores e com texturas diferenciadas, o acessório era o charme dos filmes de época.

 

1950

Toucas de natação usadas na década de 1950.

 

Os “Aqua-Musicals” cinematográficos, protagonizados pela famosa nadadora e estrela de cinema, Esther Williams, ganharam popularidade na década de 1940 com suas coreografias de nado sincronizado, e com o desfile de toucas despojadas e elegantes trajes de banho da época.

 

 

 

A nadadora e atriz morreu aos 91 anos em Junho de 2013, deixando a sua marca no mundo do cinema e da moda praia e piscina.

 

1960 – 1970

Anefo_911-4843_Nederlandse

Nadadora holandesa. Crédito: Nationaal Archief, Den Haag, Rijksfotoarchief: Fotocollectie Algemeen Nederlands Fotopersbureau (ANEFO), 1945-1989

A partir da década de 60 e 70, as toucas de natação deixaram de ser um item de moda e se tornaram item obrigatório para todos que frequentassem as piscinas públicas. Na natação a sua popularidade só crescia. Cada vez mais os atletas aderiam a touca ao seu kit essencial de competição.

 

 

 

1980 – Atualidade

Desde então, a evolução das toucas se deu tanto no quesito performance como no quesito look. Quem nunca usou as touquinhas de pano clássicas nas aulinhas de natação quando pequeno? Depois vieram as toucas de látex; finas, grudentas, com validade de duração limitada – bastava duas semanas e elas já ficavam amareladas. Era comum ver os atletas colocarem talco dentro da touca antes de vestir-las e após secarem, na esperança que fossem durar mais.

Leia também:  5 maneiras de saber se você melhorou na natação

A vida dos nadadores – principalmente daqueles com cabelos compridos – facilitou muito com a chegada da touca de silicone. Cabelo enroscado na hora de tirar a touca? Nunca mais! A sua elasticidade e firmeza a tornou um item prático e durável, e pode ser vista até hoje nas bordas das piscinas.

Látex, silicone, lycra, neoprene; são muitos materiais e modelos. Seja para lazer, para treinar ou para competir, a variedade de toucas é enorme nos dias de hoje. Azul, rosa, estampada, personalizada ou o pretinho básico, tem para todos os gostos e estilos.

2017

Caeleb Dressel nas eliminatórias dos 50 metros livre no Mundial de Natação em Budapeste, Hungria, 2017. Mike Lewis/Ola Vista Photography

Nos últimos anos, a touca queridinha pelos nadadores de ponta é a capacete. Além de ser mais resistente, o seu design liso diminui o atrito com a água e adapta-se melhor à cabeça, sem grudar no cabelo. A verdade é que, em um esporte em que um milésimo de segundo pode fazer a diferença, ninguém quer perder.

Para nós nadadores, as toucas são mais que um mero acessório; elas fazem parte da nossa história. Tem aquela que foi a primeira touca, tem a touca da sorte, tem as que lembram frustrações, as que trocamos com nadadores ao redor do mundo e, tem a mais especial de todas – aquela que marcou momentos inesquecíveis vividos ao lado dos nossos amigos.

Leia também:  Desvendando a virada olímpica