Considerada uma das provas mais desafiadoras da natação, a história do nado medley é cheia de curiosidades. Antes do nado borboleta ter sido oficializado em 1954, o medley era composto por apenas três estilos: costas, peito e crawl, e seguiam essa mesma ordem. Assim como nos dias de hoje, a prova era disputada em duas versões; a individual, disputada em 150 metros, e o revezamento 3×100 metros medley.

Como surgiu?

O reconhecimento do nado medley demorou a acontecer por conta da evolução – um tanto quanto confusa – do nado borboleta. Durante muito tempo, o estilo foi confundido com o nado de peito. Isso porque a recuperação aérea da braçada é aquela em que o nadador projeta o corpo para fora d’água. No nado peito, a recuperação acontece rente à água e a parte de cima do tronco é projetada para cima. Já no borboleta, a recuperação ocorre fora d’água e o nadador projeta o seu corpo para frente.

Pelo fato de os movimentos do braço e da perna terem sido descobertos separadamente, a origem do nado é incerta, com a colaboração de diversos nadadores ao redor do mundo na década de 30. De acordo com o Hall da Fama Internacional de Natação, o australiano Sydney Cavill é considerado o inventor oficial da braçada do borboleta, enquanto outros dão o crédito ao americano Henry Myers, ou até mesmo ao alemão Erich Rademacher.

Maria Lenk.jpg

No Brasil, a primeira atleta a nadar peito realizando a recuperação aérea da braçada foi Maria Lenk.

Leia também:  Quanto tempo de sono o seu corpo precisa depois de um treino?

Enquanto alguns experimentavam maneiras mais eficientes de se fazer o movimento dos braços, o físico Volney C. Wilson passava grande parte do seu tempo no aquário de Chicago, o Shedd Aquarium. Foi assim, observando peixes e baleias, que a pernada de borboleta foi descoberta. Apesar de ter sido o primeiro nadador a inserir a pernada no nado, ele acabou sendo desclassificado na seletiva para os Jogos Olímpicos em 1938, devido a uma irregularidade técnica. Wilson teve grande influência na criação da pernada, mas o técnico de natação David Armbruster é reconhecido como o pioneiro oficial da pernada.

Com o fim da confusão entre o peito e o borboleta, os dois estilos tiveram suas respectivas provas, abrindo espaço para a o surgimento do medley.

Início das provas em campeonatos internacionais

A nova prova estreou em campeonatos internacionais em 1959, nos Jogos Pan-Americanos em Chicago, com o revezamento 4×100 medley, seguindo a ordem atual de estilos – costas, peito, borboleta e crawl. No ano seguinte, a disputa foi incluída no programa das Olimpíadas de Roma, tanto no masculino como no feminino. Curiosamente, a prova dos 400 medley foi inserido antes dos 200 medley no programa olímpico e teve seu início nos Jogos Olímpicos de 1964, em Tóquio. A prova mais curta se tornou olímpica durante as Olimpíadas de 1968, na Cidade do México.

O revezamento 4×50 medley misto já faz parte do programa de provas em campeonatos internacionais desde 2014 e o 4×100, desde 2015. No ano passado, o Comitê Olímpico Internacional (COI) informou a novidade e a prova de revezamento 4×100 medley misto estreará nos Jogos de Tóquio 2020.

Histórico dos brasileiros em Olimpíadas

O medley sempre trouxe muitas alegrias para o Brasil. Nos 400 medley, são duas medalhas olímpicas, as duas de prata, com Ricardo Prato em Los Angeles 1984 e Thiago Pereira em Londres 2012. Com apenas 17 anos, Joanna Maranhão conquistou o quinto lugar na mesma prova em Atenas 2004, a melhor colocação obtida até hoje por uma nadadora brasileira nas piscinas.

Prova individual x Revezamento

Muitos de vocês já sabem, mas, apesar de levarem o mesmo nome, a sequência de estilos é diferente em cada prova. No medley individual a ordem dos estilos é: borboleta, costas, peito e crawl, enquanto no revezamento a prova é iniciada pelo costas, seguida de peito, borboleta e crawl. Não se sabe ao certo por que a prova começa pelo borboleta, mas reza a lenda que isso se deve ao fato de o borboleta ser o estilo que exige maior esforço do atleta.

No caso do revezamento, os nadadores de costas são os que abrem a prova por ser o único estilo que tem início dentro d’água.

Para se dar bem nessa prova é preciso muito preparo e um domínio completo dos quatro estilos, pois qualquer bobeada pode custar caro no final. Essa mistura de nados é o que torna o medley uma das provas mais interessantes da natação, com mudanças constantes na liderança e o primeiro lugar sendo, muitas vezes, decidido na chegada.

E aí, bora treinar?