Hoje nós vamos falar sobre um assunto muito polêmico no mundo aquático: fazer xixi na piscina. Muitos acham nojento, alguns não ligam, porém no fundo, é possível dizer que a grande maioria dos nadadores não saem da piscina para ir ao banheiro.

Acontece que muitos de nós não sabemos  a real consequência disso para a nossa própria saúde e para a saúde das outras pessoas que estão na piscina.

Para desmistificar esse mistério, nós conversamos com o urologista e cirurgião geral Edilson Silva, formado pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

R.O: Edilson, existe um mito sobre fazer xixi na água. Afinal, é perigoso?

E.S: O ato de urinar na piscina em si não tem relatos embasados de danos à saúde, visto que a urina teoricamente é estéril (exceto os  casos de infecção urinária). Entretanto, o que há descrito é a interação da urina e seus compostos com o cloro utilizado nas piscinas. A uréia, a amônia e o ácido úrico – presentes na urina – formam outros elementos tóxicos ao reagirem com o cloro e os demais produtos químicos utilizados na limpeza das piscinas. Esses tóxicos como o cloreto de cianogênio e a tricloramina, podem causar problemas dermatológicos, irritativos, respiratórios e até neurológicos em teoria.

R.O: E no mar?

ES: As piscinas com tratamento de salinização ou ozônio não teriam esse mesmo problema relacionado com o cloro, bem como a água do mar. Todavia, dependendo da qualidade da água de cada local, outros problemas podem estar relacionados, como a presença de coliformes fecais, derivados de petróleo, dentre outros.

R.O: O risco é diferente para homens e mulheres?

Leia também:  Quanto tempo de sono o seu corpo precisa depois de um treino?

E.S: O risco do ato de urinar é maior na verdade para quem está exposto à água da piscina ou mar, não no ato em si da diurese, afetando homens e mulheres. Mas quando se fala em infecções urinárias em geral, a prevalência é notória no público feminino; as estatísticas mostram que aproximadamente 80 % das mulheres apresentam infecção urinária ao longo da vida.

R.O: Usar traje umedecido por muito tempo pode acarretar em alguma doença ou infecção?

E.S: Esse já é um ponto melhor definido. O uso de roupas molhadas por um longo período de tempo pode ocasionar a proliferação de microorganismos como os fungos, que se multiplicam após o uso de peças íntimas molhadas, roupas justas e suor intenso, pois adaptam-se com facilidade à ambientes úmidos e abafados. Isso facilita o desenvolvimento de cistites nas mulheres pela proximidade da uretra feminina com a área externa da vagina e balanopostites (inflamações no prepúcio e na glande), e nos homens por proliferação dos germes na região.
R.O: O que os nadadores podem fazer para evitar infecções urinárias?

E.S: Algumas medidas preventivas gerais são: se hidratar durante atividades físicas e treinos – principalmente no verão, e tomar uma ducha antes e após entrar na piscina. Além disso, evite segurar o xixi por muito tempo, pois isso pode proporcionar resíduo miccional elevado, favorecendo a proliferação de bactérias. E é claro, manter uma higiene pessoal e íntima adequada.   

120

Mas agora, falando sério, quem nunca fez xixi na piscina?

Leia também:  6 motivos para amar treinar de manhã