Se você está se perguntando qual é a melhor forma de se tornar mais rápido dentro da água, a reposta é: melhore sua fase subaquática. O nado submerso pode ser considerado o quinto estilo da natação, pois pode corresponder até 60% de uma prova.

Isso porque, segundo as play titles in essays custom thesis statement writing site buy cheap essay uk go here https://www.go-gba.org/19383-personal-statement-essay-examples/ source link top essay writing services uk go to link viagra davao how to write a family history narrative se puede tomar huang he y viagra https://reprosource.com/hospital/buying-tetracycline-from-india/72/ watch super kamagra london get link viagra generic canada discount buy a thesis what does a thesis outline look like follow how to write a leadership statement go site follow link source link research paper help personal statement pay online http://jeromechamber.com/event/how-to-teach-speech-writing/23/ example of term paper for college online essays hindi essays observation place descriptive https://www.go-gba.org/12971-protein-synthesis-muscle-recovery/ https://teleroo.com/pharm/cialis-ski-lift-commercial/67/ go to site regras da natação, o nadador deve quebrar a superfície d’água após a saída do bloco e viradas até a marca dos 15 metros. iniciais. No nado peito, o nadador pode fazer apenas uma filipina, sendo esta seguida ou não de uma golfinhada – permissão inclusa após o Campeonato Mundial de Barcelona, em 2013.

Em uma prova de 100 metros em piscina semi-olímpica, caso o atleta aproveite toda a metragem permitida, fará 60 metros em baixo d’água e apenas 40 metros nadando normalmente. Ou seja, quanto mais eficiente for a sua fase submersa, mais rápido você nadará.

A fase submersa nos 4 estilos

Para o crawl e costas, geralmente, a fase submersa inclui ondulações com batidas de perna normais logo antes de subir a superfície da água. Já no peito existe a filipina e, no nado borboleta, o submerso é composto 100% pela ondulação.

Como melhorar o nado submerso?

Existem educativos e treinos específicos que ajudam a melhorar a fase submersa, aumentando a força da perna e a hidrodinâmica. Veja abaixo as dicas que preparamos para você:

  • #1 Imponha a mesma força nas duas fases da pernada
    Essa é uma dica importantíssima e que muitas vezes passa desapercebida para a maioria dos nadadores de crawl, costas e borboleta. Ao realizar a ondulação, imponha a mesma força nas duas fases da pernada – para cima e para baixo. Esse detalhe auxilia na hidrodinâmica e na propulsão.
  • #2 Série de 15 metros subaquáticos
    Séries de 15 metros submerso ajudam a trabalhar a velocidade, potência e eficiência da ondulação e/ou filipina. O importante aqui é manter a técnica durante todo a distância e não respirar! Nesse tipo de treino, você pode utilizar diferentes materiais como pé de pato e paraquedas, auxiliando no trabalho de força e potência.
  • #3 Posição core
    Treine a posição “core”. Ter uma boa posição de streamline garante uma melhor propulsão na pernada de borboleta na fase subaquática. A pernada será mais eficiente e seus ombros ficaram mais estáveis, o que garante que o corpo fique mais reto durante o nado submerso. Veja como melhora esta posição aqui.
  • #4 Perna vertical
    Treinos de perna vertical ajudam muito na fase subaquática. Reproduza a perna de borboleta na vertical com os antebraços e mãos fora da água para melhorar a sua propulsão da pernada. Este exercício funciona também para os nadadores de peito.
  • #5 Posição de streamline
    Esse fundamento é essencial, durante todo o nado, seja ele submerso ou não. O streamline, ou “flecha” como é conhecido entre os pequenos, nada mais é do que o alinhamento do corpo na água. A execução desse fundamento com precisão, pode poupar sua energia e te ajudar a nadar mais rápido e de maneira eficiente.

    Nado submerso do nadador olímpico Thiago Pereira
    Foto: Satiro Sodré

  • #6 Transição do submerso para o nado
    Ao finalizar a fase subaquática, o atleta precisa prestar atenção em uma etapa que pode ser crítica na sua prova: a transição para o nado. Todo detalhe aqui importa. Se o nadador quebrar a água estando muito perto da superfície, pode tornar sua primeira braçada ineficiente. Por outro lado, se finalizar o submerso estando muito fundo, pode causar um atrito enorme. Nos dois casos o custo alto: tempo perdido e muito mais esforço físico e mental para se recuperar, Por isso treine muito bem essa transição!

Nado submerso x nado normal. Qual é mais rápido?

A fase submersa do nado foi adotada justamente pelo fato de que, nadar abaixo da superfície da água diminui o arrasto e pode, consequentemente, dar uma vantagem ao nadador. Além disso, segundo a Federação Internacional de Natação (FINA), utilizar o fundamento em excesso causaria a descaracterização dos nados.

A decisão foi tomada após o japonês Daichi Suzuki e o americano David Berkoff, nadarem quase 70% da prova submersos. A façanha aconteceu durante os 100 metros costas nos Jogos Olímpicos de Seul, em 1988.

100 metros nado costas – Jogos Olímpicos de 1988, em Seul.

O nadador americano Caeleb Dressel é conhecido pelo seu nado submerso incrível. A vantagem que ele ganha tanto na saída do bloco quanto nas viradas é o que fazem com que ele seja o maior velocista da atualidade nas provas de crawl e borboleta.

O vídeo abaixo está em inglês, mas faz uma análise bem interessante da parte subaquática do atleta.

Como vimos hoje, dominar o nado submerso pode ser essencial para nadar ainda mais rápido, especialmente para os atletas de provas rápidas como 50 e 100 metros.

Que tal aplicar algumas dicas que demos hoje e testar o que é mais rápido no seu nado? A fase submersa ou a parte “fora d’água?”