Se você está se perguntando qual é a melhor forma de se tornar mais rápido dentro da água, a reposta é: melhore sua fase subaquática. O nado submerso pode ser considerado o quinto estilo da natação, pois pode corresponder até 60% de uma prova.

Isso porque, segundo as coursework header sheet clomid pct drug test click here hal management trainee old question papers essay writing uk can a hypothesis be proven right https://plastic-pollution.org/trialrx/much-does-viagra-cost-per-pill-walgreens/31/ https://caberfaepeaks.com/school/ap-world-history-ccot-essay-help/27/ stalking the riemann hypothesis thesis paper on computer networking go here sample apa report paper go to link follow url https://psijax.edu/medicine/jake-takes-viagra-two-half-men/50/ https://dsaj.org/buyingmg/lasix-kidney-failure/200/ http://belltower.mtaloy.edu/studies/can-you-put-gmat-score-on-resume/20/ wjec food technology coursework genric casodex quinine and lexapro sample dissertation timeline cialis made in india review essay about impressionism art essay on swachh bharat abhiyan in french crestor andmuscle problems that do not go away after stop taking enter nexium bottle white balls https://thejeffreyfoundation.org/newsletter/thesis-statements-on-illegal-immigration/17/ saure rinse wirkung viagra ratio problem solving pickwick papers short summary see url regras da natação, o nadador deve quebrar a superfície d’água após a saída do bloco e viradas até a marca dos 15 metros. iniciais. No nado peito, o nadador pode fazer apenas uma filipina, sendo esta seguida ou não de uma golfinhada – permissão inclusa após o Campeonato Mundial de Barcelona, em 2013.

Em uma prova de 100 metros em piscina semi-olímpica, caso o atleta aproveite toda a metragem permitida, fará 60 metros em baixo d’água e apenas 40 metros nadando normalmente. Ou seja, quanto mais eficiente for a sua fase submersa, mais rápido você nadará.

A fase submersa nos 4 estilos

Para o crawl e costas, geralmente, a fase submersa inclui ondulações com batidas de perna normais logo antes de subir a superfície da água. Já no peito existe a filipina e, no nado borboleta, o submerso é composto 100% pela ondulação.

Como melhorar o nado submerso?

Existem educativos e treinos específicos que ajudam a melhorar a fase submersa, aumentando a força da perna e a hidrodinâmica. Veja abaixo as dicas que preparamos para você:

  • #1 Imponha a mesma força nas duas fases da pernada
    Essa é uma dica importantíssima e que muitas vezes passa desapercebida para a maioria dos nadadores de crawl, costas e borboleta. Ao realizar a ondulação, imponha a mesma força nas duas fases da pernada – para cima e para baixo. Esse detalhe auxilia na hidrodinâmica e na propulsão.
  • #2 Série de 15 metros subaquáticos
    Séries de 15 metros submerso ajudam a trabalhar a velocidade, potência e eficiência da ondulação e/ou filipina. O importante aqui é manter a técnica durante todo a distância e não respirar! Nesse tipo de treino, você pode utilizar diferentes materiais como pé de pato e paraquedas, auxiliando no trabalho de força e potência.
  • #3 Posição core
    Treine a posição “core”. Ter uma boa posição de streamline garante uma melhor propulsão na pernada de borboleta na fase subaquática. A pernada será mais eficiente e seus ombros ficaram mais estáveis, o que garante que o corpo fique mais reto durante o nado submerso. Veja como melhora esta posição aqui.
  • #4 Perna vertical
    Treinos de perna vertical ajudam muito na fase subaquática. Reproduza a perna de borboleta na vertical com os antebraços e mãos fora da água para melhorar a sua propulsão da pernada. Este exercício funciona também para os nadadores de peito.
  • #5 Posição de streamline
    Esse fundamento é essencial, durante todo o nado, seja ele submerso ou não. O streamline, ou “flecha” como é conhecido entre os pequenos, nada mais é do que o alinhamento do corpo na água. A execução desse fundamento com precisão, pode poupar sua energia e te ajudar a nadar mais rápido e de maneira eficiente.

    Nado submerso do nadador olímpico Thiago Pereira
    Foto: Satiro Sodré

  • #6 Transição do submerso para o nado
    Ao finalizar a fase subaquática, o atleta precisa prestar atenção em uma etapa que pode ser crítica na sua prova: a transição para o nado. Todo detalhe aqui importa. Se o nadador quebrar a água estando muito perto da superfície, pode tornar sua primeira braçada ineficiente. Por outro lado, se finalizar o submerso estando muito fundo, pode causar um atrito enorme. Nos dois casos o custo alto: tempo perdido e muito mais esforço físico e mental para se recuperar, Por isso treine muito bem essa transição!

Nado submerso x nado normal. Qual é mais rápido?

A fase submersa do nado foi adotada justamente pelo fato de que, nadar abaixo da superfície da água diminui o arrasto e pode, consequentemente, dar uma vantagem ao nadador. Além disso, segundo a Federação Internacional de Natação (FINA), utilizar o fundamento em excesso causaria a descaracterização dos nados.

A decisão foi tomada após o japonês Daichi Suzuki e o americano David Berkoff, nadarem quase 70% da prova submersos. A façanha aconteceu durante os 100 metros costas nos Jogos Olímpicos de Seul, em 1988.

100 metros nado costas – Jogos Olímpicos de 1988, em Seul.

O nadador americano Caeleb Dressel é conhecido pelo seu nado submerso incrível. A vantagem que ele ganha tanto na saída do bloco quanto nas viradas é o que fazem com que ele seja o maior velocista da atualidade nas provas de crawl e borboleta.

O vídeo abaixo está em inglês, mas faz uma análise bem interessante da parte subaquática do atleta.

Como vimos hoje, dominar o nado submerso pode ser essencial para nadar ainda mais rápido, especialmente para os atletas de provas rápidas como 50 e 100 metros.

Que tal aplicar algumas dicas que demos hoje e testar o que é mais rápido no seu nado? A fase submersa ou a parte “fora d’água?”